15/07/2012

Análise

Muitos amigos em conversas informais dizem-me que este país já não vai sem manifestações violentas , sem tiros, sem armas! Eu fico aterrorizado com essa hipótese. As agressões chegam quando se acaba o diálogo , o debate , o mundo das ideias.
Por outro lado falando do caso português , a política em Portugal tem sido imposta e isso é negativo, para essa política ter êxito deve sustentar-se num amplo consenso.


Em Portugal é preciso ter a noção que este país está a ir a pique em que as pessoas têm atados aos tornozelos chumbo.


As pessoas não têm participado nas decisões. É preciso mais politica horizontal e menos vertical. Não se pode fazer tudo em S.Bento , no Parlamento e nos partidos. Para conseguir temos que ir convencendo que este caminho de austeridade é melhor solução para todos.


Pela minha parte não estou convencido e estou bastante céptico. Por outro lado os governantes continuam a esticar a corda e ela pode partir...


JJ

5 comentários:

  1. Há cada vez mais gente insatisfeita. A insatisfação vai-se disfarçando enquanto não chega à necessidade. Quando lá chega, tem mais tendência a manifestar-se, sendo a violência proporcional à necessidade. Pode ser que não cheguemos à violência. Mas é preciso explicar. E é preciso suavizar o chumbo dos que o têm mais pesado.
    Também estou céptico. Parece que seguimos a Grécia com um ano de atraso. E mesmo tendo sido Portugal um pouco mais comedido nas suas despesas, quem suspeita de nós, não só está a pedir contas como a pedir factura... os juros que continuamos a pagar (mesmo à Troika) sugam-nos grande parte do que produzimos, roubando-nos a tal competitividade que dizem que nos é necessária...

    ResponderEliminar
  2. Meia dúzia de horas de estudo na área de Sociologia, mais precisamente na dinâmica de grupos poderiam fazer ver aos nossos sobredotados governantes o que estão a provocar as suas acções de quero, posso e mando e de se arrogarem mandatados para tomar as medidas que lhes dão na veneta.
    Parece não terem a noção de que os factos da história se repetem, não exatamente da mesma forma, mas repetem-se, cíclicamente.
    A Relvas e Passos Coelho ofereço uma pérola que já referi anteriormente neste blog:

    Wir waren einfach, weil das Volk einfach ist
    Wird dachten primitiv, weil das Volk primitiv denkt
    Wir waren aggressiv, weil das Volk radikal ist

    A ênfase deve ser posta no "weil das Volk radikal ist". O povo é efetivamente simples, pensa de forma primitiva (no sentido de simplista), mas quando se movimenta contra malfeitorias é radical.

    Como parece que a nossa classe política passou pelas licenciaturas a velocidade elevada, não colheu concerteza as noções de História Europeia e as bases mínimas de Sociologia que lhes permita ver dois palmos à frente da testa.
    Infelizmente, parece-me que serão ensinados da forma como conseguem os diplomas: empíricamente.

    O Caixa d'óculos

    ResponderEliminar
  3. O estado da nação está anémico.
    chegou a esta situação, não de agora , mas ao longo de trinta e tal anos, com mais acelaração já neste século.

    Até então iamos cantando e rindo,e fáz lembrar aquela do -rei nú.
    Seguia a procissão com a plebe e a burguesia a bater ,palmas ao rei, quando um garoto se apecebeu e gritou- ...olha o rei vai nú,-o pai e a mãe,- olha é mesmo..o rei vai nú..e depois toda a gente se apercebeu da situação.
    E só agora nos apercebemos do estado da nação.
    Mas não vai acontecer nada, porque os que poderiam fazelo-no estão resguardados
    como no antes do 25 de abril, apenas lançam fogachos a ver se a "coisa" pega.
    O governo actual é fraco, é verdade, entre governantes e acessores, pouco ou nada se aproveita,premiou os medíocres e os ingénuos vai protegendo as negociatas quando devia fazer privatizações a sério.
    E como alguém dizia:Toda a gente, em nome da igualdade, concluiu , que também tinha mérito, e toda a gente vociferou para obter essas vantagens-.
    Era necessário tomar medidas pois claro, ou bancarrota ou como Egas Moniz, ir junto dos credores para emprestar dinheiro a qualquer preço, qual seria a outra opção?E fosse este o mal para salvar a economia e finanças de Portugal,
    visto que nem são assim tão duras, apenas atinge a classe média no seu todo, visto que quem ganha abaixo de 600€ pouco é penalizado, e este é o grosso da população.

    José Guimarães

    ResponderEliminar
  4. Ja' aqui foi referido pelo Joaquim J. e por mais alguem, penso eu, que ha' tambem politicos decentes e honestos.
    Pergunto eu- onde estao eles?
    E' facil dizer que os outros sao desonestos e que nos, nao somos assim. Mesmo acreditando que, o politico, quando atinge o patamar do poder, faz tudo de bem para o Pais, sem ser corrupto,este tem uma obrigacao de denunciar o podre generalizado que vai no seu meio.
    Sabendo de praticas pouco honestas e beneficas para a economia Nacional, por parte dos seus colegas de "profissao", so' teem e' que, mesmo sem denunciar os "amigos" de jornada, iniciar uma campanha de limpeza e purificacao, da atividade do politico e seu comportamento altamente irresponavel, para com um Pais grande, como Portugal.
    Se ha' politicos honestos e honrados, como dizem, que se juntem para alterar o que tem que ser alterado na Constituicao, relativo a beneficios e protecoes dessa classe, e que lhes permite abusar e desperdicar fundos elevados, pertencentes aos Portugueses, o Pais.
    O Governo recentemente eleito, Publicou o resultado de uma acessoria encomendada a' Ernest & Young, para verificar os contratos das PPP realizados pelo Governo anterior, do PS.
    Aparentente, nada foi encontrado de irregular e foi mesmo, um agravamento das perdas do Estado, e contratos extendidos por periodos maiores.
    A isso, nao sera' estranho o facto da Ernest & Young, ter redigido muitos dos contratos das PPP, que agora esta' incumbida de "fiscalizar".
    Ha' nitidamente e de forma chocante, um conflito de interesses em relacao a esta companhia, em que se esta' a esbanjar dinheiro, numa vistoria que nao funciona.
    Sera' que os politicos honestos e corretos, nao reagem a isto? Ou ja' tiveram a "sua dose" e nao se querem chatear?
    Enquanto nao vir politicos a erguerem-se contra o esvaziamento e falencia, da financa e moral Portuguesa, eles serao para mim e para muitos milhoes de Portugueses, homens de h minusculo e microscopico.
    Por muito "material" que possuam.
    Regenerem-se e rejuvesnecam pois, estao a apodrecer as raises do Pais.
    Pedro-Liverpool

    ResponderEliminar
  5. Completamente de acordo com o Sr Pedro-liverpool

    Mario Soares
    Cavaco Silva
    Almeida Santos
    Jaime Gama
    Jorge Coelho
    Ferro Rodrigues
    Narana Cóssoró
    Freitas do Amaral
    Santana Lopes

    etc etc etc O que pensar destes srs?

    ResponderEliminar