04/12/2017

Clube dos Pensadores recebe Mário Nogueira




Joaquim Jorge, fundador do Clube dos Pensadores ( CdP), convidou o secretário-geral da Fenprof Mário Nogueira, para estar presente no dia 11 de Dezembro, segunda-feira, pelas 21h30 no Hotel Holiday Inn em Gaia.

O Clube dos Pensadores encerra o seu ciclo de debates em 2017,  abordando um tema que tem estado na ordem do dia e que tem que ver com a maioria dos portugueses : pais, alunos e professores.

Mário Nogueira líder da Fenprof , professor, militante do PCP abordará a educação em todas as suas vertentes. Mário Nogueira já esteve, anteriormente, no Clube em 2012, também, num momento de crispação com o antigo Ministro, Nuno Crato.
Já passaram pelo ministério muitos governantes  que mudam as regras do jogo.
Não é possível  uma escola ser dirigida, como uma empresa, com planos meritocráticos, como muita gente sugere. Uma escola não é uma empresa é uma instituição, que lida com alunos, pais, docentes e não docentes com as suas idiossincrasias.

Não é correcto que se diga que os professores faltam muito, é um anátema que os persegue toda a vida. O problema é que se um funcionário público falta no seu local de trabalho sabem duas ou três pessoas, numa escola sabe meio mundo. Eu aconselho a quem fala mal dos professores a passar uma semana numa escola para se inteirar dos seus problemas e escassez de meios.
Será que a Educação está num processo de desumanização e mercantilização? O CdP empenhando-se em fomentar, o debate de ideias e na resolução dos problemas,endereçou um convite ao Ministro Tiago Brandão Rodrigues para estar presente no Clube , num futuro próximo.
Os professores têm inúmeros problemas: aspectos importantes da aposentação; horários de trabalho e concursos; processo de municipalização da Educação; democratização da gestão das escolas.
É importante o investimento na Educação e na  Escola Pública.

O CdP, este ano de 2017, diversificou os temas e os convidados para além da política.  Abordou: " Envelhecimento e Sexo" pela mão  do  médico-psiquiatra e sexólogo ,Júlio Machado Vaz. Falou de “Automobilismo” com o corredor de WTTC Tiago Monteiro. No “ 11.ºaniversário do Clube” teve representantes de todos os partidos do  Parlamento e ainda  teve direito a um vídeo de Marcelo Rebelo de Sousa que foi passado para os presentes. Fez uma incursão pelo “Futebol” com Pedro Henriques , comentador da SportTv e António Magalhães, director do Record. Recebeu o prémio Nobel da Paz José Ramos- Horta que falou de “Timor”. Paula Teixeira da Cruz, antiga Ministra da Justiça, apresentou a obra de Joaquim Jorge “Democracia mudança”. Seguiu-se Jaime Nogueira Pinto, politólogo e escritor que abordou a “Direita Portuguesa”.  

Joaquim Jorge


7 comentários:

  1. Muito gostava que o CP conseguisse escalpelizar as diferentes questões quanto aos professores e sumariasse isso posteriormente, pois até agora temos, basicamente, discursos antagónicos e que não explicam em concreto por exemplo, os passos todos e reais quanto a progressões. Porque não é fácil ir lá pela legislação dispersa.
    António Cabral

    ResponderEliminar
  2. Está convidado desde já a assistir ao debate e colocar essa e outras questões ao nosso convidado.
    è um momento único em que se pode interpelar Mário Nogueira num ambiente aberto e sem espartilho.
    Obrigado.

    ResponderEliminar
  3. 1. A meio da década passada, os especialistas em finanças descobrem que as carreiras muito generosas da função pública, em especial dos professores (por serem muitos), começavam a ser sufocantes para o OE;
    2. Cabe a Maria de Lurdes Rodrigues iniciar a batalha para conseguir uma reforma brutal na estrutura das carreiras;
    3. A proposta de MLR é pesadíssima;
    4. Mais de 100 000 professores saem às ruas;
    5. Mário Nogueira está lá. Apesar da sua presença, 100 000 juntam-se em Lisboa para protestar;
    6. MLR vai negociar com Mário Nogueira para diminuir os estragos políticos;
    7. O acordo final relativo à carreira e ao sistema de avaliação é aquele que ainda existe hoje;
    8. Mário Nogueira deixa refazer os escalões do meio da carreira (ex. quem está no 6º passa para o 4º, sem perder vencimento);
    9. Mário Nogueira deixa criar 2 escalões no meio da carreira com um sistema travão à progressão - quotas e obrigação de aulas assistidas no 4º e 6 º escalões;
    10. Os que estavam no 10º escalão, com 50 ou mais anos (topo da carreira) vão para o 9º escalão sem perda de vencimento, no entanto, a nova carreira permite-lhes sonhar com um 10º escalão que consistia numa melhoria que não tinham antes dessa reforma;
    11. 7 000 professores ficam numa grande excitação. Valeu a pena ir a Lisboa num sábado de sol;
    12. Os outros 90 000 ficam com a carreira desfeita.



    ResponderEliminar
  4. A crise entra em cena:

    1. Colossal aumento de impostos;
    2. Cortes nos salários dos FP;
    3. Carreiras congeladas;
    4. Os escalões mais altos da carreira atingiram o último patamar e não há congelamento que os afete. Chegar ao NOVO 10º era um prémio da ida a Lisboa, mas não vão reclamar por que quando começaram a trabalhar nunca sonharam que alguém se lembrasse de  criar esse índice fantástico de vencimento;
    5. Os professores dos escalões do meio para baixo da carreira percebem tarde de mais que a sua vida profissional está arruinada.
    6. Calam-se por que têm a percepção de que os tempos não estão para reivindicações salariais;
    7. Em Lisboa eram a maioria, mas não trouxeram de lá nada para si;

    A crise sai de cena

    1. No OE para 2018 recomeça a contagem de serviço para os FP;
    2. O tempo congelado é contado na avaliação do SIADAP, mas não é contado para os professores;
    3. Depois de 12 a 15 anos de grande austeridade, os professores consideram-se injustiçados.
    Mesmo com um registo máximo de poupança nas suas casas não conseguem ter condições mínimas para viver. Entre as despesas do empréstimo para o T2, a gasolina para o carro em 6ª mão, as contas da luz e água, a marmita no trabalho, não sobra nenhum no final do mês;
    4. A situação não é tão grave para os professores do 8º e 9º escalão (recordo: topo da carreira), aos quais o congelamento quase nada ou mesmo nada afetou. Quem subiu os degraus todos não é afetado por congelamento;
    5. Mário Nogueira toma conta das rédeas da situação;
    6. Mário Nogueira reúne com governo até às 5 da manhã;
    7. O sábado é um dia magnífico;
    8. Nos jornais de domingo há mais pormenores sobre o acordo. Mário Nogueira responde a perguntas do CM. O JN, sem entrevista, sabe o que ficou acordado na tal reunião;
    9.
    a) Os 7 000 professores do topo da carreira estão na primeira página;
    b) Passar do 8º para o 9º escalão reduz de 6 para 4 anos;
    c) O 10º escalão (o tal que vai para além do topo da carreira antiga) vai ser uma realidade para 3 000 professores;
    d) Tudo isto a 1 de janeiro de 2018;
    e) Custo fácil de calcular (quase 100 milhões dos famosos 600 milhões);
    f) Os restantes professores vão ser objeto de atenção em 2019;
    g) Mário Nogueira consegue um acordo que não permite alterar o Estatuto da Carreira, mas ATENÇÃO, deixa em aberto uma enigmática 'reconversão da carreira';
    h) Parece que o governo aceita não mexer no tamanho dos escalões para os restantes professores, mas avisa que passar de uns para os outros vai ser mais apertado e há uma referência ao 'estabelecimento de quotas';
    i) Um escalão de 4 anos com quotas de 20 % passará a ser de 10 anos para alguns;
    j) A diferença entre o vencimento entre quem tem 30 anos de serviços e quem tem 45 anos de serviços passará a ser de quase 2000 euros. Na reforma, a diferença será maior por que irá contar com a diferença de toda a carreira contributiva . Uns saem com 3500 euros e outros com 1200 ilíquidos.

    ResponderEliminar
  5. Se cada Professor Português tiver em média como aqui na Suissa uma classe de 20 alunos quêr dizer que temos dois milhôes da populaçao portuguêsa na escola.
    Fabuloso. Em 2004 dei uma entrevista para a RTPI, em que me referia exactamente aos Professores que penso, na altura eram na ordem dos 60.000 no desemprego.A titulo de curiosidade tenho uma Sobrinha que era Professora universitaria algures no Norte de Portugal. Desde ha uns anos a esta parte ocupa-se, (e foi se quiz), de uma classe de crianças déficientes !!! Fabuloso.

    ResponderEliminar